Viver sem seguro de vida

Fazer com que sua vida seja mesmo sua, mesmo que em alguns momentos o barco vire


Mulher de braços abertos olhando para o horizonte

Começa quando você percebe que não tem controle sobre a vida,

Evolui para seus primeiros passos com pés descalços,

Passa por sair de casa sem guarda-chuvas,

Exige destemor para mudar de emprego quando você achar que está na hora,

Te leva a fazer coisas que sempre sonhou e que a realidade nunca permitiu,

Relaciona-se a soltar-se no mundo, desprender-se das cordas que o amarram,

Significa ser um pouco irresponsável sem perder totalmente o juízo.

 

Você não deixa de pagar suas contas,

Nem tampouco de trabalhar e bater cartão,

Mas ao mesmo tempo você se permite viver,

Sem limitações impostas por outros,

Sem que o seu sonho seja substituído pelo de outros,

Sem que você deixe de ser quem é para ser quem os outros querem que seja.

 

Seguro de vida para que, você começa a se perguntar?

Infeliz daquele que se apegou tanto ao controle e a segurança,

Triste aquele que se acomodou a viagens alheias e não a dele.

 

Fazer com que sua vida seja mesmo sua,

Mesmo que em alguns momentos o barco vire,

Ainda que o carro tenha o pneu furado e fique no caminho,

Somente para ver o que há para se ver nesta vida,

Que é curta e que deixamos passar

 

É o que realmente importa...


João Luís de Almeida Machado

João Luís de Almeida Machado

Consultor em Educação e Inovação, Doutor e Mestre em Educação, historiador, pesquisador e escritor.

Ver artigos

Avalie esse artigo


Assine nossa Newsletter