BNCC: o papel da tecnologia e os desafios de implementação

Usar a tecnologia em sala de aula faz parte das normas da BNCC, mas quais são os desafios das escolas em relação a isso? Falaremos mais sobre o tema a seguir!


Professora auxiliando aluna em atividade no computador

Quando o celular se tornou popular entre crianças e adolescentes, seu uso e de outros tipos de tecnologia era coibido dentro das escolas. Isso porque a sua utilização tirava a atenção dos alunos durante as aulas. Além disso, a falta de uma metodologia e a falta de capacitação de professores para utilizar recursos tecnológicos como apoio ao ensino era outro ponto negativo.

No entanto, na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), é previsto o uso da tecnologia nas escolas. O objetivo da disciplina, de acordo com o órgão, é oferecer aos alunos conhecimento necessário para que eles utilizem os recursos tecnológicos de forma crítica e responsável.

Ficou curioso e quer saber mais sobre o assunto? Então confira o post que criamos especialmente sobre o tema!

Entenda o que são as competências da BNCC

A Base Nacional Comum Curricular é um documento que determina diretrizes de como deve ser o ensino dentro das escolas. O órgão é quem define que tipo de conteúdo deve ser ministrado dentro das salas de aula.

Nesse cenário, a tecnologia tem um papel fundamental, de forma que há duas competências na Base que dizem respeito ao uso da tecnologia no processo de ensino aprendizagem. Veja o que elas dizem:

Competência 4: Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.

Competência 5: Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.

Como a BNCC orienta o uso da tecnologia para o desenvolvimento de competências

No documento, fica claro que o uso da tecnologia deve ser feito com ética, para que traga benefícios para a sociedade em geral. Os alunos da educação infantil devem ser estimulados a terem um pensamento crítico, criativo e lógico, a curiosidade, o desenvolvimento motor e a linguagem.

Durante o ensino fundamental, quando os estudantes já desenvolverem um pensamento crítico, eles devem ser orientados a usar a tecnologia de forma consciente crítica e responsável. Mas isso não se resume somente ao uso na sala de aula, mas também para resolução de questões de seu cotidiano.

No ensino médio o aluno já deve estar apto a se aprofundar mais na cultura digital e aprender coisas mais complexas, como programas de editoração gráfica, web design e programação. Nessa fase, as escolas devem promover o desenvolvimento integral das competências e habilidades da BNCC.

O uso da tecnologia deve ser implementado no ensino de Matemática, Artes, Língua Portuguesa, Língua Inglesa e de Ciências. Então, encontrar métodos que proporcionem um ensino de qualidade pode ser um grande desafio para as escolas, tanto públicas quanto particulares.

Entenda os desafios de implementar a tecnologia de acordo com as competências da BNCC

Embora o uso da tecnologia nas escolas não seja novidade, desenvolver as habilidades e competências de acordo com a BNCC é um grande desafio para as instituições. Primeiro, porque grande parte dos professores ainda carecem de conhecimentos sólidos sobre computadores e outros recursos tecnológicos.

Por isso, as escolas devem investir em treinamentos constantes para capacitar o corpo docente. Além disso, desenvolver metodologias que se encaixem nos padrões da Base e sejam capazes de oferecer o conhecimento necessário para que os estudantes usem recursos tecnológicos para fazer a diferença na vida das pessoas.

Outro ponto que deve ser citado é a complexidade do documento e a influência que ele terá nas políticas públicas. Por isso, dentro das salas de aula ainda imperam muitas dúvidas, angústias e controvérsias a respeito do tema.

A BNCC apenas criou as diretrizes para o uso da tecnologia na educação, mas cada escola deve encontrar meios de implementar essa competência e criar suas próprias metodologias. Isso vai exigir uma boa pesquisa e um bom planejamento de professores e de toda a equipe pedagógica.

Gostou do post e quer ler outros conteúdos sobre educação? Assine nossa newsletter que enviaremos novidades diretamente em seu e-mail.


Portal Planneta Educação

Portal Planneta Educação

Ver artigos

Avalie esse artigo


Assine nossa Newsletter