Inclusão e limites

Para entender o papel da educação nos processos comportamentais e educacionais dentro da inclusão


Dois jovens, amigos, rindo um para o outro

A Parada Gay é um exercício legítimo de direitos de cidadãos que os tiveram negados por longo tempo. As últimas edições brasileiras, realizadas em São Paulo, transcorreram em paz e alegria, com alguns exageros e atitudes caricatas perfeitamente compreensíveis como afirmação - necessária em oposição a séculos de negação.

Ainda assim, é possível ouvir algumas reações iradas à ideia do “orgulho gay”, do tipo “vamos fazer a parada do orgulho hetero”. Reações infantis e descabidas: não se sabe de nenhum heterossexual ridicularizado, agredido ou morto apenas por ser heterossexual. Heterossexuais não são obrigados a esconder esta condição para obter ou manter empregos - e até mesmo o amor e respeito de seus familiares e amigos. E então, como nunca houve uma “vergonha hetero”, não há necessidade de um “orgulho hetero”.

Eventos como esse demonstram que de alguma forma o mundo se move - o Brasil está mais civilizado na questão dos direitos civis de maiorias e minorias (embora esteja ainda muito longe do ideal) e as escolas têm parte importante em todo esse processo. As primeiras expressões públicas da homossexualidade costumam ocorrer em ambiente escolar e, como todo indivíduo que se sente de algum modo reprimido, o adolescente manifesta-se de forma assertiva, e mesmo agressiva, trazendo aos educadores um enorme desafio.

Todas as instituições, principalmente as dedicadas à Educação e à Cultura, devem ter como ponto de honra não discriminar - e não permitir que se discrimine - por motivos religiosos, biótipo, orientação sexual ou qualquer outra “diferença”. Escolas públicas e privadas passaram por um processo de arejamento - não têm mais a atitude e o aspecto sisudo e cinzento de outros tempos. Os espaços de convívio, pátios e cantinas são descontraídos e propiciam a formação de relacionamentos pessoais, afetivos, e até profissionais, que podem prolongar-se uma vida inteira.

Comportamento

No entanto, instituições de ensino não são áreas de lazer. Seu principal propósito é o estudo, a pesquisa e o conhecimento. Não se pode tolerar dentro da escola comportamentos que não são tolerados fora dela, como violência e uso de drogas - e também alguns permitidos em outros ambientes, como consumo de bebidas alcoólicas, música alta demais e manifestações exageradas de afetividade, independente de seus protagonistas serem ou não do mesmo sexo. Não se trata de puritanismo, mas de bom senso e estabelecimento de uma ordem de valores necessária e adequada ao tipo de lugar em que se está. Regras de etiqueta não são apenas formalidades, mas, essencialmente, normas de bem viver em comunidade, em que a contenção individual pode representar respeito aos direitos coletivos. De modo geral, em acordo com a ocasião e o ambiente, nos vestimos e comportamos diversamente, sem abdicarmos de nossa essência e individualidade.

A aparente falta de limite entre o público e o privado, característica exacerbada nas redes sociais, não apenas confunde o jovem nessa esfera, mas também na vida estudantil e amorosa. Limites claros e explicitados fazem parte do processo educativo, na escola e fora dela.


Wanda Camargo

Wanda Camargo

Educadora e assessora da presidência do Complexo de Ensino Superior do Brasil.

Ver artigos

Avalie esse artigo


Assine nossa Newsletter