Cinema na Escola para EJA

Jovens e Adultos aprendendo com a Sétima Arte


Vista de trás de pessoas na sala de cinema

Não existem limites para o Cinema na Escola no que se refere a faixas etárias com as quais trabalhamos os filmes. É possível realizar projetos para o ensino de qualquer disciplina ou tema que envolva alunos da educação infantil, do ensino fundamental, do ensino médio, universidades, para turmas da terceira idade e, é claro, também para as turmas de Educação para Jovens e Adultos, mais conhecidas como EJA.

Deve-se, no entanto, levar em consideração as particularidades das turmas para o desenvolvimento de atividades educacionais de qualquer natureza com grupos de alunos de EJA. Trabalhei, durante aproximadamente seis anos, com alunos de EJA. Foi bastante gratificante e compensador. Os estudantes reconhecem nosso trabalho e são muito gratos pelo que realizamos com eles.

Mas voltando as tais particularidades dos grupos de EJA, temos que destacá-las para facilitar e melhorar projetos pedagógicos com eles. Além disso, há certos detalhes de projetos com filmes na escola que devem ser sempre reforçados para que a possibilidade de acertos seja ainda maior. Vamos então a essas informações:

  1. Os alunos de EJA possuem mais experiência de vida, percorreram trajetos mais longos, são mais maduros. Essa particularidade não pode ser desprezada, pelo contrário, trata-se de elemento a ser explorado em atividades pedagógicas de qualquer natureza, inclusive em ações que utilizem filmes na escola.
  2. Há uma heterogeneidade nos grupos de EJA, alguns têm mais facilidade, enquanto em outros, percebemos maior dificuldade nos estudos. O ideal nesse caso é trabalhar com pequenos grupos e unir forças entre alunos que demonstrem melhor compreensão e disposição para esse tipo de ação com aqueles que, por dúvidas, acabam não atuando como deveriam.
  3. O trabalho com cinema é um ponto de apoio importante, mas não constitui elemento que possa trabalhar de forma exclusiva os conteúdos educacionais. Utilize os filmes sempre como apoio, material extra, adicional ao que foi explanado em sala de aula pelo professor, as tarefas e leituras encomendadas em classe, aos trabalhos e atividades em grupos e, também, nas avaliações.
  4. Qualquer projeto com filmes na sala de aula demanda planejamento antecipado e concatenação com os conteúdos apresentados nas disciplinas.
  5. Dê preferência à apresentação de trechos de filmes ao invés de produções na íntegra. Um filme tem, em média, duas horas de duração. As aulas, por sua vez, dispõem de 45 a 50 minutos de tempo de trabalho para o professor. Ao usar 10 ou 15 minutos de um filme, o restante do tempo fica disponível para que o professor realize debates, encaminhe questões, dê esclarecimentos e explicações, relacione os conteúdos...

Igualmente importante, seja para a EJA ou para qualquer outro nível de ensino, é realizar o registro das atividades desenvolvidas. E quando falo isso, me refiro à necessidade real de fotografar, anotar, filmar, gravar em áudio ou mesmo manter um diário virtual ou blog sobre as ações desenvolvidas em sala de aula com os seus alunos. Isso é válido para todas as práticas e realizações que desenvolver, inclusive quando se utiliza o cinema na escola.

No que se refere ao uso da Sétima Arte na escola, as anotações que se fizerem podem ser guardadas para orientar suas ações em momentos posteriores ou ainda, caso sejam postadas em blogs, certamente serão utilizadas por educadores de outras unidades escolares e pelos próprios alunos da EJA se você os orientar e encaminhar a esta prática.

As anotações ou gravações que fizer também serão muito úteis no sentido de avaliar e perceber as possibilidades dessa ferramenta fabulosa que é o cinema na escola, ou seja, quanto mais depoimentos, relatos, fotos e registros em geral, maiores serão as possibilidades de entender esse recurso e utilizá-lo com maior sucesso.

Neste sentido, o trabalho com turmas de EJA facilita e enriquece ainda mais as ações pelo fato dos alunos, mais maduros e experientes, demonstrarem maior compreensão daquilo que viram e capacidade de expressão do que entenderam, sentiram, pensaram...

Neste sentido, ações envolvendo o uso de filmes com turmas de jovens e adultos, desde que planejada e pensada dentro do currículo que está sendo trabalhado e das particularidades do contexto em que se realizam tais práticas, é uma ótima possibilidade de tornar mais rica a argumentação, a discussão e a base de conteúdos de todos os participantes. Prepare a pipoca e boa aula!


João Luís de Almeida Machado

João Luís de Almeida Machado

Consultor em Educação e Inovação, Doutor e Mestre em Educação, historiador, pesquisador e escritor.

Ver artigos

Avalie esse artigo


Assine nossa Newsletter