O Teatro como Ferramenta Pedagógica na Educação Básica

Estímulo da criatividade e comunicação são algumas das características que o teatro proporciona como ferramenta pedagógica. Saiba como aplicá-lo em sala de aula.


O teatro como ferramenta pedagógica na educação básica

Quando falamos sobre as linguagens artísticas, o teatro apresenta uma enorme versatilidade de possibilidades.

Considerando que “contextualizar é estabelecer relações” (BARBOSA, 1998, p.35), o teatro possibilita, em especial, a didática de articular e interagir com os fenômenos da existência humana, entre outros fenômenos.

Desta forma, pode ser utilizado como ferramenta pedagógica na educação, conforme veremos a seguir.

 

O Teatro em Sala de Aula

Para esta prática ocorrer em sala de aula, recomenda-se a utilização de dois autores centrais para conseguirmos atingir os objetivos propostos pela BNCC, Viola Spolin e Augusto Boal.

 

Viola Spolin

No livro “Jogos Teatrais: o Fichário de Viola Spolin” a autora mostra ao educador as mais diversas abordagens classificadas em níveis de evolução na aplicabilidade dos jogos teatrais.

Augusto Boal

No livro “Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas” o autor faz proposições que levam sua prática do jogo teatral a constante capacidade de relativizar discussões, trazendo à tona uma reflexão sobre diversos âmbitos sociais.

Nas duas possibilidades integradas Spolin e Boal criam alguns elementos mais eficazes para se trabalhar e desenvolver a prática do Jogo Teatral na Escola.

O jogo teatral possui várias funções que variam de acordo com as características dos objetivos que o educador desejar.

 

Jogos teatrais para praticar com os alunos

Jogos físicos

São uma ótima forma de garantir o aquecimento da turma, garantindo que possam construir e serem subsidiados a experimentações vocais e corporais. São muito utilizadas em montagens e criações de cenas e personagens.

Jogos lúdicos

Exercitam a capacidade do educando de melhorar a comunicação, a criação sensório-motor e até mesmo o caráter moral. Alguns estudiosos classificam como o grande marco desta ferramenta.

Jogos de improvisação

Exercitam a capacidade de criar, improvisar, imaginar e pensar rapidamente em soluções e organizações de linhas sinápticas por meio da vivência de problemas, completando o fecho da somatória dos processos apresentados acima.

Ao longo destes processos aplicados com a turma, é fundamental principalmente nos anos iniciais, que o educador seja o principal condutor destas ações, sendo um mediador desta prática.

Os jogos teatrais são ferramenta de construção e ligação entre Educador e Educando, criando a possibilidade do educando de enxergar a escola como um local de protagonismo e de pertencimento.

 

A importância do teatro na escola

O teatro por si próprio, proporciona em ambiente escolar e dialoga diretamente com questões como, respeito a regras, resolução de problemas, melhora na oratória e escrita, capacidade de imaginar criar e recriar, conceitos primordiais de empatia, respeito somando-se á experiências em todos os níveis intelectuais, físicos e intuitivos para aprendizagem do educando.

“Sem regras não há jogo, sem liberdade não há vida” (BOAL, 2012, p.16).

A importância do teatro na escola é de apropriação pelo educador, como ferramenta que pode ser incorporada com todas as disciplinas do currículo, desde vivenciar um problema de matemática encenando, até um fator histórico possibilitando ver os dois lados da situação proposta, construindo e descontruindo cenas ou esquetes elaborados pelos próprios educandos ou direcionados pelo educador.

Com sua prática direta na escola, teremos alunos mais participativos, desinibidos e críticos às situações mais diversas colocadas no seu dia a dia e ao longo de sua vida. Desta forma, convido a você a vivenciar e experimentar esta prática em sala de aula, para poder colher os benefícios que o teatro trás ao longo dos séculos.

Continue no Portal Planneta Educação para mais conteúdos educativos!

Aproveite e entenda mais sobre Metodologias Ativas e Gamificação!

 

Referências

Boal,Augusto. Jogos para atores e não atores. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 2011.

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998 p.35.


Allan Charles

Allan Charles

Educador físico e professor de Teatro, Xadrez, e Recreação, possuindo mais de 12 anos na rede estadual desenvolvendo projetos temáticos, atua como Coordenador de projeto educacional de educação integral das áreas de Teatro, Dança e Música. É também um dos idealizadores da Associação Espaço Vida de Osasco criada em 2006 onde até 2009 desenvolvia programas de capacitação profissional e social.

Ver artigos

Avalie esse artigo


Assine nossa Newsletter
AVISO DE COOKIES
Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, para permitir o funcionamento adequado deste site, bem como cookies de personalização, análise, publicidade e criação de perfis com base nos hábitos de navegação do usuário. Mais detalhes podem ser acessados em nossa Política de Privacidade.
Continue navegando para aceitar os cookies.
CONTINUAR